[Valor] Potencial de contágio no Brasil é pequeno

Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Economistas ouvidos pelo Valor destacam que a participação da Argentina no comércio exterior do Brasil hoje é bem menor e que os investidores estrangeiros fazem a diferenciação entre os dois países.

Por Rafael Vazquez e Anaïs Fernandes no Valor, em 05/07/2022

A capacidade de contaminação da desorganização argentina para a economia do Brasil existe, mas é menor nos dias de hoje devido à perda de participação do país vizinho no total das exportações brasileiras ao longo das últimas décadas, segundo destacam economistas ouvidos pelo Valor. Outro fator é que os investidores estrangeiros diferenciam bem as características de cada um, o que evita uma fuga de capitais de outros países sul-americanos.

Imagem: Angelica Reyes/Unsplash

“A repercussão econômica será enormemente menor por duas razões. Primeiro porque a participação das exportações brasileiras para a Argentina caiu muito ao longo do tempo, não apenas pelos problemas da Argentina, mas também pelo crescimento do comércio do Brasil com outros países, particularmente com a China”, comenta o pesquisador associado do FGV-Ibre Fabio Giambiagi.

[…]

Nessa área, José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), aponta que medidas já tomadas pelo Banco Central argentino para conter a fuga de dólares do país, como restrições do acesso de empresas ao mercado de câmbio, já atrapalham parte da indústria brasileira.

“Em 2021, o comércio do Brasil com a Argentina superou as exportações de 2019. Para 2022, estamos projetando um crescimento um pouco acima de 2021. É um comércio forte”, diz Castro, lembrando que o vizinho é importante destino dos produtos manufaturados brasileiros. “Esses números serão afetados pelas recentes medidas.”

[…]

Leia a matéria completa no Valor.


VEJA TAMBÉM: