[Jornal do Brasil] Qual o grau de erros do Banco Central?

Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Por Gilberto Menezes Côrtes no Jornal do Brasil, em 05/07/2022

Ser engenheiro de obra feita é fácil. Difícil é comandar o Banco Central no Brasil com a responsabilidade de: “Garantir a estabilidade do poder de compra da moeda, zelar por um sistema financeiro sólido, eficiente e competitivo, e fomentar o bem-estar econômico da sociedade”. Para cumprir essas metas, o BC dispõe apenas de instrumentos monetários (taxas de juros, com intervenções diárias no “open market”, redescontos e os encaixes compulsórios), o que é muito pouco ante a forte inflação importada pelos impactos da invasão da Ucrânia pela Rússia e o governo esbanja gastos para tentar aumentar as chances da reeleição do presidente Jair Bolsonaro.

Imagem: Gilberto Menezes Côrtes/JB

Mas a taxa de erros do Banco Central tem sido imensa em relação à previsão das metas de inflação (principal objetivo da política monetária, instituída em 1999, quando o país abandonou a âncora cambial e adotou o câmbio flutuante). Em todo o período, ressalve-se, o Banco Central raramente contou com o amparo de uma política fiscal capaz de ajudar às metas de controle da inflação. A tônica foi a expansão de gastos, como agora.

[…]

O presidente da Associação do Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, reconhece que a situação mudou muito e por isso a AEB revisará para baixo as projeções deste ano. Ele lembrou que no 1º semestre, as importações cresceram mais que as exportações (30% X 20,5%), invertendo o quadro de 2021, quando as exportações brasileiras cresceram 35,2% e as importações 26,5%.

Ele chama a atenção para dois fatos negativos: o minério de ferro está em queda de preços e de volume e a soja não deve ter excedentes para exportar no 2º semestre e deve fechar o ano com menos 10 milhões de toneladas exportadas. Em sentido inverso, as cotações do petróleo e combustíveis importados (GLP e diesel) estão resistindo e tendem a subir no 3º trimestre, com o frio no Hemisfério Norte, situação agravada pela redução da oferta de gás natural pela Rússia à Europa.

[…]

Leia a matéria completa no Jornal do Brasil.


VEJA TAMBÉM: