[Valor] Mudança no frete da Petrobras tem efeito limitado no preço de combustível

Share on facebook
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Por Gabriela Ruddy, Fábio Couto e Rafael Rosas no site Valor em 17/05/2022

Para especialistas, alteração de regra seria paliativo e pode criar distorções de mercado

Uma eventual mudança no cálculo do frete da Petrobras depende de negociações comerciais da petroleira com clientes e teria impacto limitado nos preços finais de combustíveis, dizem especialistas. Discussões sobre o tema ocorrem no contexto da alta de preços de combustíveis. O jornal “O Globo” publicou no fim de semana que o governo considera mudar a metodologia usada no cálculo do frete do petróleo que é enviado pela empresa às refinarias.

Imagem: André Motta de Souza/Agência Petrobras

O preço atual do frete nesse transporte é calculado por meio do CIF (cost, insurance, and freight, na sigla em inglês), método de exportação em que o vendedor paga as despesas até que o produto seja carregado no navio. A proposta seria alterar o CIF para FOB (free on board, na sigla em inglês), modalidade na qual o comprador assume as responsabilidades por todos os riscos e custos no transporte.

[…]

Já o presidente executivo da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, acredita que a mudança na importação de petróleo e derivados da modalidade CIF para FOB pode trazer vantagens. Ele frisa que o custo do produto importado pelo CIF tende a ser maior que o do FOB, uma vez que, ao pagar o seguro e o frete, o exportador vende um “pacote fechado” e acaba por majorar os custos. Para ele, a Petrobras tem tamanho suficiente para negociar uma mudança na modalidade de importação. “Tecnicamente é uma boa saída, tem grande chance dela economizar na importação”, diz, acrescentando que “geralmente” a empresa consegue ganhos ao negociar diretamente o frete.

[…]

Leia a matéria completa no Valor.

VEJA TAMBÉM: